A família no ritmo contemporâneo – Humor com H: sensibilidade masculina

compartilhe Share on FacebookTweet about this on Twitter

Por Fabrício Carpinejar.

Humor com H: Sensibilidade masculina retrata as mudanças do comportamento e do papel do homem no interior das famílias contemporâneas, do homem que deixou de ser o chefe-provedor da família e, hoje, tem que dividir novos direitos e deveres com a mulher.

O que Darwin diria ao homem contemporâneo – Jaime Vaz Brasil
Faroeste refinado: o homem armado de guitarra – Renato Godá
Modas e modinhas da sensibilidade masculina – Xico Sá
Malícia: casamento entre humor e o amor – Fabrício Carpinejar
Qual lugar a sensibilidade masculina ocupa nessas novas configurações familiares: uniões homoafetivas com filhos, pais ou mães solteiras, mulheres que engravidam na maturidade, casais com idades muito diferentes, relações a três, filhos com pai e mãe, mais padrasto e madrasta e meio irmãos, etc? Como encarar essas novas situações sem cair na tragédia e no pesar? Até que ponto o humor pode ser uma estratégia inovadora para a construção dos novos papéis masculinos? Sai de cena o macho caricato para dar espaço a uma figura tridimensional, mais complexa, interessada na paternidade, no romance e nos cuidados com a casa. O rei do lar é a figura masculina revolucionária que não foge dos desafios caseiros e descobre as vantagens de fazer as prendas domésticas. Passeia por cada cômodo, brinca com as diferenças entre ele e sua mulher e destrói condicionamentos do sexo e do amor. O novo homem descobriu que o poder cansa, estressa, gera infarto, enquanto a submissão assegura longevidade. Como todas as empresas estão imitando o ambiente do lar, é mais confortável ser original e permanecer na própria casa. E sempre, sempre será mais prazeroso puxar o saco da mulher do que do chefe.

Comments are closed.