danilo apoena
Concertos > no mundo encantado do quarteto quinta essentia

no mundo encantado do quarteto quinta essentia

uma viagem com as incríveis flautas doces por sinhô, tom jobim, guinga e guerra-peixe

Fazer música de câmara com flautas doces é transitar no velho e no novo mundo das expressões musicais. No Brasil, a relação com o antigo nos fascina pelo risco criativo que corremos em nossas interpretações de um texto musical – esta é a profissão de fé artística do Quinta Essentia.

No espetáculo ‘Falando Brasileiro’, há muitas criações originais para flautas doces e arranjos de melodias consagradas que fazem parte do imaginário popular brasileiro. Esta mistura entre a matriz europeia e as cores dos sons nacionais espalhados pelo país reflete-se nas suítes e quartetos do argentino Eduardo Escalante, que veio para São Paulo aos 12 anos, em 1949 e
naturalizou-se brasileiro, sendo aqui aluno de Camargo Guarnieri; do gaúcho Bruno Kiefer; e do petropolitano César Guerra-Peixe, que transitou pela vanguarda experimental e também pelo nacionalismo preconizado por Mário de Andrade.

o quinta essentia quarteto é formado por:
Felipe Araújo (flauta doce)
Fernanda de Castro (flauta doce)
Gustavo de Francisco (flauta doce)
Renata Pereira (flauta doce)

programa

  • jura - sinhô
  • choro do fábio - rafael dos santos
  • desafinado - tom jobim
  • ponta de areia - milton nascimento e fernando brant
  • quatro peças para flautas doces - eduardo escalante
    canoa (barcarola)
    chorinho (fugato)
    moderado
    embolada
  • choro pro zé - guinga
  • quarteto no. 1 para flautas doces - eduardo escalante
    paisagem
    modinha (jardim da luz)
    dança (trenzinho da cantareira)
    rondó (metrô)
  • primeira suíte infantil - césar guerra-peixe
    ponteio
    valsa
    choro
    seresta
    achechê
  • cinco poemas da terra - bruno kiefer

intérprete

quinta essentia quarteto

mais Concertos

as veias sonoras abertas da américa latina

a voz de timbre inconfundível de renato braz, acompanhada pelo quarteto de violões maogani, propõem uma panorâmica da canção latino-americana, mostrando as características diferentes e sempre encantadoras que ela assume conforme a geografia, seja o “joropo’ venezuelano, a“tonada” chilena, a valsa peruana ou a milonga porteña