divulgação
Concertos > quaternaglia faz tributo a almeida prado

quaternaglia faz tributo a almeida prado

no concerto “xangô”, realizado em 2015 no auditório umuarama pelo quarteto de violões

Um grande arco histórico da criação brasileira em sentido amplo, em arranjos especiais para quarteto de violões. O concerto ‘Brasileira’, em arranjo de João Luiz, e as Bachianas Brasileiras no.9, arranjadas por Thiago Tavares e o Quaternaglia. A suíte de Ronaldo Miranda, “Canção sem fim”, de Sérgio, irmão de Sidney Molina, uma peça de um dos integrantes do quarteto, Chrystian Dozza (“Sobre um tema de Egberto Gismonti”), três criações de João Luiz dedicadas ao grupo e Maracatu da Pipa, de Paulo Bellinati, completam a apresentação de um dos mais destacados quartetos de violões brasileiros, com intensa atuação no exterior.

“Xangô” remete a uma obra de Almeida Prado, um dos artistas mais interessantes da música clássica brasileira na segunda metade do século 20. Almeida Prado compôs “Xangô” para piano e utiliza o ‘Canto de Xangô’, breve tema transcrito por Mário de Andrade no ‘Ensaio sobre a música brasileira’. Na tradição iorubá, xangô é o orixá da justiça, do trovão, dos raios e do fogo.

programa

  • choros no. 5 “alma brasileira”- heitor villa-lobos (1887-1959) | arr. joão luiz
  • 14 variações sobre o tema de xangô - almeida prado (1943- 2010) | versão de almeida prado e joão luiz
  • suíte no. 3 - ronaldo miranda (1948) | arr.chrystian dozza
    allegro
    allegretto
    lento
    allegro gracioso
  • canção sem fim (para sons sem palavras) - sérgio molina
  • sobre um tema de egberto gismonti (baseado em sete aneis) - chrystian dozza
  • modinha - joão luiz (1979)
    urbano
    kirsten (toada)
  • maracatu da pipa - paulo bellinati
  • bachianas brasileiras no. 9 - heitor villa-lobos
    prelúdio
    fuga

intérprete

quaternaglia

mais Concertos

as veias sonoras abertas da américa latina

a voz de timbre inconfundível de renato braz, acompanhada pelo quarteto de violões maogani, propõem uma panorâmica da canção latino-americana, mostrando as características diferentes e sempre encantadoras que ela assume conforme a geografia, seja o “joropo’ venezuelano, a“tonada” chilena, a valsa peruana ou a milonga porteña