Playlists > respeito na arte e na vida

respeito na arte e na vida

lições de cidadania vindas diretamente das salas de concerto

Todo músico vive no dia-a-dia situações contraditórias: o isolamento quando estuda sua parte; e a necessidade de cooperar quando ensaia em grupo.

Num livro espetacular de 2012, “Juntos”, o sociólogo Richard Sennett, 73 anos, conta um episódio que viveu como violoncelista. “Eu ensaiava o Octeto de Schubert com o clarinetista Alan Rusbridger e a certa altura ele comentou ‘o seu agudo está estridente’. Praticando sozinho, eu esquecera como o agudo poderia soar para ele, e ele me levara a ouvi-lo”.

Na música de câmara, completa Sennett, não se busca a homogeneidade, isso seria monótono. “A força e o temperamento da música manifestam-se através de pequenos dramas de deferência e afirmação: na música de câmara, em especial, precisamos ouvir os indivíduos falando com vozes diferentes que às vezes entram em conflito, como no caso das arcadas ou do timbre das cordas. Entretecer essas diferenças é como manter uma conversação rica”.

Afirmação e diálogo, respeito e cooperação. respeito, este gênero de primeiríssima necessidade que faz tanta falta no Brasil. Pois respeito é o que nos ensina a prática musical.

Em seu livro “Respeito”, Sennett deu a melhor tradução verbal da importância da música de invenção em nossas vidas partindo da música de câmara. A propósito de um concerto do violoncelista chinês Yo-Yo Ma com a pianista inglesa Kathryn Stott em que o superstar chinês jamais se sobrepôs a ela, num lindo exemplo de respeito mútuo musical e humano, Sennett escreveu que devemos “tentar tornar a sociedade mais semelhante ao concerto: isto é, explorando as formas de se apresentar como iguais, e demonstrar respeito mútuo (…) muitos músicos têm o impulso cooperativo, mas poucos conseguem traduzi-lo em som. Isto é ainda mais verdadeiro na vida social: existe um enorme abismo entre esperar agir bem em relação aos outros e agir bem de fato”:

Yo-Yo Ma, Kathryn Stott – Ave Maria (J.S. Bach/ Gounod)

Yo-Yo Ma, Kathryn Stott – Lullaby (Brahms)

Yo-Yo Ma, Kathryn Stott – The Swan (Saint-Saëns)