Café Filosófico

Agenda de fevereiro do Café na TV

o café filosófico cpfl é um programa de reflexões sobre o mundo contemporâneo, produzido e gravado pelo Instituto CPFL e transmitido na TV Cultura aos domingos, às 19h, com reprises às terças 22h45.

__ __ __ __ __

dia 02/02 | dom | 19h
reprise
a invenção do remédio, com alfredo simonetti
a psiquiatria que cuidava das doenças mentais passou a cuidar também da infelicidade cotidiana chamada mal estar contemporâneo. esta palestra discute quando foi que isto começou, quais os avanços tecnológicos e farmacológicos que permitiram esta ampliação de função, e quais os discursos e práticas sociais que o legitimaram. vamos debater também se a psiquiatria esta obtendo sucesso nesta tarefa ou se esta só piorando as coisas.

__ __ __

09/02 | dom | 19h
reprise
para que serve a psicanálise hoje? com wilson klain
há mais de um século caminhamos em companhia da psicanálise, e agora que enfrentamos os tempos pós-modernos o que o olhar psicanalítico nos mostra? quais são os sintomas mais problemáticos da atualidade? a “utilidade” da psicanálise hoje difere da sua participação nos tempos que foram percorridos até aqui em sua companhia? a psicanálise adota alguma mudança teórica e técnica para enfrentar a vida no século xxi?

__ __ __

16/02 | dom | 19h
reprise
intoxicações eletrônicas na primeira infância, com julieta jerusalinsky
vivemos tempos da virtualidade das relações, independente da idade. a exigência de estar permanentemente on-line inaugura uma forma de convívio onde as pessoas podem estar de corpo presente, mas, psiquicamente ausentes, olhando cada um para sua janela virtual. como considerar esta dissociação do corpo para o bebê que ainda nem se apropriou dele? como essa nova maneira de estar junto está afetando nossas vidas e principalmente o universo infantil? o que crianças que ficam capturadas pelas telas de eletrônicos podem nos contar a respeito da infância de hoje?

__ __ __

23/02 | dom| 19h
reprise
infância e memória, com antônio prata e julieta jerusalinsky
as memórias nos constituem. revisitá-las é como olhar para a nossa própria arqueologia. traz compreensão de quem somos; nos faz ver possibilidades de transformação. mas, no mundo de hoje, compartilhar e expor as experiências parece muito mais fundamental e urgente do que vivê-las de fato. neste programa a conversa entre uma psicanalista e um escritor nos leva a pensar como estamos nos apropriando das coisas vividas, desde a infância; e nos lembra que temos, a todo tempo, a chance de reinventar o já vivido, de que recontar o passado é recriá-lo.