12
ago

12/08 | sex | 19h | café filosófico cpfl ao vivo: Melancolia da desigualdade – a cidade dividida, com Ermínia Maricato

  • 19:00

clique aqui para assistir e participar ao vivo, a partir das 19h!

café filosófico cpfl ao vivo

Melancolia na vida cotidiana

A julgar pelo empenho da indústria farmacêutica em vender as sempre novíssimas gerações de antidepressivos, é possível imaginar que o mundo ocidental vem sofrendo uma crescente epidemia de depressão. “Epidemia” esta, que cresce em razão direta dos lucros dos fabricantes de remédios. As quatro conferências quem compõem este módulo pretendem questionar esta certeza que já tem a força de uma nova ideologia. Somos todos candidatos potenciais à depressão? O consumo de remédios seria a única solução para nosso mal-estar cotidiano? A proposta é produzir discursos críticos que, sem ignorar a melancolia contemporânea, busquem causas e apontem rumos diferentes daqueles propostos pela psicofarmacologia.

12/08 | sex | 19h

Melancolia da desigualdade – a cidade dividida

Com Ermínia Maricato, arquiteta e urbanista, professora da USP

As raízes da cidade dividida: casa grande e senzala ou sobrados e mocambos. A água, o esgoto, a lenha, carregados pelos escravos, e o atraso na infraestrutura urbana. O emprego doméstico, a entrada de serviço resquícios do preconceito. A periferia ignorada: dimensões e características (“é a parte que lhe cabe nesse latifúndio”). Terra que não interessa ao mercado é a localização que sobra. A autoconstrução da moradia. A ausência de infraestrutura- água, esgoto, drenagem, coleta de lixo, mobilidade. Comprometimento da saúde: epidemias. A via sacra da mobilidade- parte da vida nos transportes. Agressão ambiental e moradia pobre. ILEGALIDADE GENERALIZADA. A cidade do mercado formal. A cidade legal. Prestigiosos planos e legislação detalhista: o urbanismo das “ideias fora do lugar”. Carga simbólica de distinção. Cidade real e a alienação: representação ideológica da cidade. O ardil da lei: direito à moradia é constitucional, mas na prática é impossível dentro da lei.

A periferia pobre (não cidade) cerca “a cidade”.

local: instituto cpfl cultura (rua jorge figueiredo corrêa, 1632, chácara primavera, campinas – sp);
capacidade: 180 lugares;
classificação etária: 14 anos;
transmissão online pelo http://www.institutocpfl.org.br/cultura/aovivo
entrada gratuita, por ordem de chegada, a partir das 18h. vagas limitadas (lotação da capacidade da sala);
mais informações: 19. 3756-8000