18
jun

Encontros e Desencontros na canção (Amor discreto e Amor e Paixão) – Zuza Homem de Mello – convidados: Ronaldo Bastos e Fernando Brant, com participação de Marcelo Onofri

  • 22:00

O medo de se entregar, o primeiro olhar, as partidas e chegadas das relações amorosas … Como um poeta se inspira para revelar as estradas que o amor percorre e como estes sentimentos afloram nas letras das músicas? Neste programa da série Paixão e ódio na canção, o curador Zuza Homem de Mello nos dá a oportunidade de compartilhar das reflexões dos letristas: Ronaldo Bastos e Fernando Brant, que fizeram parte do movimento da canção brasileira Clube da Esquina.

Com Ronaldo BastosMarcelo Onofri ao piano e participação do curador Zuza Homem de Mello.

Palestra da série Paixão e Ódio na Canção, de Zuza Homem de Mello.

[vimeo]http://vimeo.com/28310754[/vimeo]

No terceiro encontro da série estarão no café filosófico cpfl o curador Zuza Homem de Mello com o letrista Ronaldo Bastos em conversa sobre algumas de suas canções como “O trem azul”, “Amor de índio” e “Cais”, que serão ouvidas na interpretação de Marcelo Onofri. Sobre o temaamor discreto, a ser abordado nessa noite, Ronaldo esclarece: “Sempre que me perguntam qual a minha canção preferida, não penso muito para responder que é “Ilusão À Toa” de Johnny Alf. Espanto-me com a rapidez dessa resposta vinda de um homem que aprendeu a viver e a dedicar sua vida a elaborar canções. O que é mais romântico do que alguém que se apaixona perdidamente por alguém que não conhece, que viu de passagem – da janela do carro; no metrô que para do outro lado da estação e segue o seu caminho – numa cidade estrangeira que nunca mais voltará a rever, como em “Um Gosto de Sol”, com Milton Nascimento? Para mim a melodia foi sempre o mais importante numa canção. Servi com minhas palavras a parceiros de variados matizes melódicos e harmônicos, mas nunca deixei de perseguir obstinadamente o meu estilo. Considero realizada a missão de ter um estilo próprio e tenho orgulho de ter deixado a marca desse estilo em compositores de várias gerações.”Com Fernando BrantMarcelo Onofri ao piano. Participação do curador Zuza Homem de Mello .

Palestra da série Paixão e Ódio na Canção, de Zuza Homem de Mello.

[vimeo]http://vimeo.com/28530360[/vimeo]

O último encontro da série reunirá o curador Zuza Homem de Mello com um dos maiores letristas do estado de Minas Gerais, o grande parceiro de Milton Nascimento, Fernando Brant. Entre as canções que serão interpretadas por Marcelo Onofri, figuram “Travessia”, “Paisagem na janela” e “Maria Maria”.

Fernando Brant diz em uma canção: “o amor, que mora na rua do coração, tem uma vizinha de quarto, é a paixão. É bom saber, nessa casa, onde andar, onde estar, quem seguir. A paixão é o lado nervoso do amor, é fogo do prazer e brasa do sofrer. Mas o amor que é mestre se torna um aprendiz, com a paixão se envolve e agora se diz feliz”. Em outra letra ele canta: “se o tempo passa e o nosso amor segue insistindo em ficar é que alguma coisa aconteceu entre você e eu”.

“A paixão é sempre passageira, uma hora é cachoeira, outra hora é mansidão. A paixão é sempre passageira, uma hora está chegando, num minuto está partindo, mas amor que é verdadeiro dura mais que a paixão.”
Palestra gravada no dia 2 de setembro de 2011 em Campinas.

Gravada no dia 26 de agosto de 2011 em Campinas.

O Café Filosófico CPFL vai ao ar na TV Cultura às 22h.