25
jun

Jovem Urgente – séc.XXI (As virtudes capitais – Inveja e Ira. Limites, Adolescência: a delícia e a dor de ser mutante e A mulher, a vida sexual e o casamento: as mudanças das relações) – Paulo Gaudêncio

  • 22:00

 

[vimeo]https://vimeo.com/44690830[/vimeo]

Veja acima o vídeo da edição para TV.

Há 40 anos, em uma época de contestação, o psicoterapeuta Paulo Gaudêncio fazia na televisão uma espécie de terapia em grupo em que jovens discutiam suas preocupações mais urgentes. De lá pra cá a impressão é que tudo mudou. Mercado de trabalho, relações afetivas, ideias e sentimentos… nada parece ser como antes. A família tradicional não existe mais, os jovens estão demorando cada vez mais a sair da casa dos pais, adultos insistem em se comportar como eternos adolescentes, mulheres trabalham fora, se tornaram independentes e mantenedoras de lares, ter filhos não é mais obrigação, o prazer feminino viveu uma revolução. Nesse programa, Paulo Gaudêncio reúne gerações para debater as mudanças no mundo e as mudanças nos homens, nas mulheres e nos adolescentes.

Se em nossa formação os sete pecados capitais foram incorporados como vícios que devem ser controlados ou até mesmo condenados, hoje eles são repensados com virtudes capitais.

Apresento reflexões sobre emoções como a Ira e a Inveja e proponho uma reflexão sobre o uso saudável dos sentimentos que elas despertam. A ira com a agressividade, que se mostra um combustível de nossa ação e sua repressão, que pode ser o desencadeador da ausência de limites. A inveja, do latim invidia, quer dizer olhar com malícia, que representa um desejo, mas não significa o que de fato se quer. O que eu invejo não é, necessariamente, o que eu admiro.

Entrar em contato, compreender o que desperta sua ira ou inveja pode trazer o aprendizado para o uso adequado da agressividade e a força mobilizadora de suas ações.

Gravado no dia 27 de abril de 2012 em Campinas

Adolescência era medida em anos. Da puberdade até a soldadura das cartilagens e pifisarias, isto é, dos 12 aos 18 anos. O progresso da medicina, desde a descoberta dos antibióticos, aumentou a expectativa de vida e especialmente da vida útil. Os postos continuaram a ser ocupadas por pessoas capacitadas e experientes. Isto criou um desemprego que chamamos de adolescência. Que atualmente começa antes da puberdade e vai até o fim da pós-graduação. Estamos aproveitando este período de desemprego para preparar as gerações novas, via pós graduação.

Um encontro para falar das mudanças e características da adolescência, das sensações de desconforto do crescimento físico, das emoções de agressividade, da afetividade, o medo, o aflorar da sexualidade, a descoberta das drogas…

Gravada no dia 20 de abril de 2012 em Campinas

A palavra que mais usei em meus textos sobre as mudanças ocorridas nos ajustamentos afetivo e sexual, nos relacionamentos, foi manutenção, porque a considero parte da etiologia. É composta de duas palavras: manu=mão e tenere=ter. Ter na mão. Quem mantém, tem na mão, quem é mantido está na mão de quem mantém. Essa foi a base da sociedade patriarcal. Até o advento da máquina, o animal necessário para o trabalho era o animal forte. Como o homem é mais forte que a mulher, trabalhava e a manutenia. Durante séculos.

A invenção da máquina igualou o jogo. A Segunda Guerra Mundial, levando os homens para frente de batalha e as mulheres para as fábricas, deu o tiro que iniciaria o fim dessa sociedade, desencadeando a enorme mudança de costumes que marcaram os anos 60 do século passado. A partir daí os ajustamentos mudaram. Mudaram os relacionamentos: homem e mulher, pais e filhos, relacionamentos profissionais. Mudaram os papéis: papel de pai, mãe, papel profissional.

Gravado no dia 13 de abril de 2012 em Campinas.

O Café Filosófico CPFL vai ao ar na TV Cultura às 22h.